Ministros da Palavra 2018

Formação para NOVOS Ministros da Palavra Esperança e da Eucaristia na Paróquia do Rosário em 2018. Esta formação ministerial é necessária e indispensável. Os encontros formativos acontecerão sempre no salão paroquial do Rosário a partir das 19h30min.

Calendário de formação Ministerial especifica

Palavra Esperança Eucaristia
Abril: 04, 18 e 25
Junho: 06, 13 e 20
Agosto: 08, 22 e 29

Outubro: 03, 10 e 31
Dezembro: 05 e 12
Abril: 04, 18
Junho: 06, 13
Agosto: 08, 22

Outubro: 03, 10
Dezembro: 05 e 12
Abril: 18 e 25
Junho: 12 e 26
Agosto: 07 e 21

Outubro: 09 e 23
Dezembro: 11

Porque a palavra de Deus é viva, eficaz mais penetrante do que uma espada de dois gumes, e atinge até à divisão da alma e do corpo (…) discerne os pensamentos e intenções do coração (Hb 4,12)

A santa Palavra é viva e eficaz, quer dizer, tem em si poder. Foi por ela que Deus criou o céu e a terra e todos os seres visíveis e invisíveis. Quando o Senhor diz: “Faça-se! (Fiat)”, tudo acontece como Ele quer. Por outro lado, São Paulo chama a Palavra de Deus de “espada do Espírito” (Ef 6, 17), uma verdadeira arma espiritual do cristão para enfrentar a ciladas do inimigo.

Infelizmente muitos cristãos a conhecem pouco e também pouco confiam nela. São Paulo não se cansava de recomendá-la. Disse a Timóteo, seu querido discípulo: “Toda a Escritura é inspirada por Deus, e útil para ensinar, para repreender, para corrigir e para formar na justiça. Por ela, o homem de Deus se torna perfeito, capacitado para toda boa obra” (II Tm 3,16-17).
Sem o conhecimento e a vivência dessa santa Palavra, não nos tornaremos perfeitos e não estaremos capacitados para a boa obra. Em outro lugar, o Apóstolo insistiu junto ao discípulo com veemência: “Eu te conjuro (…) prega a Palavra, insiste oportuna e importunamente” (II Tm 4,1).

Para que os cristãos conheçam e vivam a Palavra de Deus, é preciso que haja quem lhes pregue essa Palavra; lhes mostre a sua força e o seu sentido. E para tal é preciso pessoas preparadas que conheçam as Sagradas Escrituras, especialmente o Novo Testamento. São Jerônimo dizia que “quem não conhece os Evangelhos não conhece Jesus”.

Não é tão fácil conhecer a Palavra de Deus, especialmente o Antigo Testamento, escrito há mais de dois mil anos e durante cerca de dez séculos, no Oriente, por um povo com mentalidade diferente da nossa ocidental. Por isso, o Concilio Vaticano II ensinou na Constituição “Dei Verbum”, que “o ofício de interpretar autenticamente a palavra de Deus escrita ou transmitida foi confiado unicamente ao Magistério vivo da Igreja” (n.10).

Muitos se arvoram no direito de interpretar a Bíblia por sua própria conta, sem ouvir a Igreja, e cometem muitos erros, levando outros a caminhos tortuosos. São Pedro disse que nas Escrituras “há algumas passagens difíceis de entender, cujo sentido os espíritos ignorantes ou pouco fortalecidos deturpam, para a sua própria ruína, como o fazem também com as demais Escrituras” (2Pe 3, 16). Então, a  Sagrada Escritura interpretada de maneira errada, pode levar a pessoa a perdição, ao caminho errado. É por isso que existem hoje milhares de igrejas e seitas que não foram fundadas por  Jesus Cristo; surgiram sem a sua autorização.

Portanto, é necessário que os que se dedicam à pregação da palavra de Deus estejam preparados para isso; conheçam a Sagrada Escritura, façam um Curso Bíblico, conheçam a doutrina da Igreja, de modo especial o Catecismo da Igreja Católica, que é a interpretação católica e autêntica da Bíblia, colocado para nós em forma de doutrina.

Aquele que é ministro da Palavra, não pode ensinar “o que quer”, mas tem de ensinar o que a Igreja ensina, pois é em seu nome que prega.